31 maio 2012

Noite de Queijos e Vinhos


Nada melhor que promover um encontro entre amigos, com beleza e elegância. Uma noite de Queijos e Vinhos é ideal para aproximar as pessoas em um ambiente harmonioso e aconchegante. Tanto para receber grupos pequenos e íntimos como para grupos maiores, é uma festa deliciosa. Acima de tudo, divirta-se!
Afinal... “Os vinhos e queijos não foram feitos para serem bebidos e comidos simplesmente, mas para serem entendidos e degustados.



Tábuas
As tábuas de queijos são as estrelas da noite, portanto, a parte mais importante está na apresentação com originalidade e na montagem, agrupando as cores e acentuando os contrastes. A possibilidade de combinações é ilimitada.


O ideal é usar uma taboa de madeira onde podem ser colocados vários tipos de queijo. Para comer, nada de garfo e faca. O queijo deverá ser cortado em pedaços pequenos, colocado com a mão junto com pedacinhos de pão e levados à boca desta forma.




Como Calcular a Quantidade por Pessoa
A quantidade de queijo pode ser de 150 g para mulheres e 200 g para homens. Pode arriscar com 300 gramas por pessoa, se forem muitos tipos de queijos, vocês poderão se exceder e vão querer provar de muito mais qualidades devido aos sabores diversos.
Os pães podem ser 150 gramas por pessoa descontando as torradas e pães mais durinhos.


Apresentação da Mesa
O ideal é usar várias tábuas de madeira, colocando os queijos de sabor mais forte numa delas, os de sabor médio em outra e na terceira os mais suaves. Isto facilita os principiantes.



Os queijos devem estar de preferência inteiros ou em pedaços grandes, sem encostar uns nos outros.
A mesa deve estar como para jantar americano, mas só usando pratinhos, garfinhos e faquinhas de sobremesa. Você não vai usar os garfos senão para retirar os pedaços de queijos das tábuas para seu pratinho, ou mesmo, às vezes, para espetar o pão das cestinhas para o seu prato.



Arrume também os copos de vinho branco, tinto e as taças ou flutes para champanhe. Essas poderão ser usadas com vinho rose.


Espalhe também guardanapos, saleiros e moinhos pequenos para pimentas em grão, que fazem parte da arrumação.

Coloque bolinhas de manteiga sem sal em alguns pratinhos.


As facas de servir os queijos não devem ser usadas em pastas. O ideal é colocar uma faca perto de cada qualidade de queijo e assim os comensais usarão uma faquinha só em cada um.



Para valorizar sua mesa use frutas, elas dão um toque especial junto aos queijos. Escolha as frutas da estação como maçã, pera, uva branca e rosada. As frutas secas como damascos também são ideais. Já as frutas cítricas devem ser esquecidas porque podem alterar o sabor e aroma dos vinhos.





O pão é primordial, sua apresentação deve ser em tipos variados e colocados em cestos de vime. Escolha os pães sem temperos. Use e abuse de: baguette, italiano, preto, integral, centeio, francês, caseiro de diversos sabores e sueco.
As torradas são ótimas para acompanhar os queijos cremosos.


Detalhes para sua festa ser inesquecível
Retire os queijos da geladeira uma ou duas horas antes de servi-los para que recuperem a textura e o sabor. Isso evita o “esfarelamento” na hora do corte. Os queijos frescos devem ser retirados na hora.


Coloque uma faca própria para cada tipo de queijo para não misturar os sabores. Para cortar queijos de massa mole, prefira faca de lâmina estreita, para que a superfície de contato seja a menor possível.
Para que todas as frações obtidas com cortes saiam bonitas e proporcionais ao tamanho original do queijo, é necessário iniciar a operação de corte, dividindo o queijo sempre ao meio e, a cada pedaço, sempre ao meio, sucessivamente.


Queijos de massa semi-cozida acondicionados a vácuo não possuem casca e devem ser assim consumidos como se apresentam (Estepe, Prato, Mussarela, Prato Esférico, Minas Padrão etc). A coloração vermelha na casca dos queijos dos tipos Gouda, Esférico e Reino, é uma tradição desde os primórdios das suas fabricações. A coloração é obtida aplicando em sua casca corante natural de Carmim de Cochonilha, produto natural e atóxico, podendo ser ingerido com a massa do queijo.


Queijos de mofo branco (Brie e Camembert) podem e devem ser consumidos com a casca.


Queijos de casca dura exigem a remoção da casca, o que pode ser feito a partir da fração básica.


Pães são ótimos acompanhamentos tanto para os queijos quanto para os vinhos, mas evite os temperados com alho ou qualquer outra iguaria de sabor acentuado, pois interferem no sabor dos queijos e dos vinhos. Os mais apropriados são mini banguete, centeio preto, pão italiano e francês. Não esqueça as torradas, para acompanhar os queijos cremosos.
A escolha dos complementos tem suas razões. Por serem neutros, os pães preparam a boca para saborear diferentes tipos de vinho. Já as frutas frescas como a maçã, uva e morango, bem como as secas (damasco, figo e amêndoa) embelezam a mesa e multiplicam as sensações no paladar. 





Os frios combinam muito bem com vinhos e é uma opção a mais de variedade em sua mesa. Prefira os patês clássicos, evite pastas carregadas no sal ou condimentos.
O azeite Extra Virgem não pode faltar, de preferência dois ou três tipos diferentes.




Os guardanapos, talheres, pratos e copos apropriados dos diversos vinhos devem ser arrumados à parte em um canto da mesa ou bancada auxiliar.


Se quiser agregar valor a sua festa, coloque bandeirinhas indicado os países de origem de cada queijo.




Harmonizar o ambiente com o que você serve à mesa é uma arte. No caso de um "queijos e vinhos", o evento "pede" uma ambientação mais aconchegante. Baixe um pouco a luz da casa e valorize o ambiente usando algumas velas. O toque final pode ser dado com um arranjo de flores naturais.




Alguns queijos são tão fortes que nem os vinhos mais encorpados chegam à sua altura, e outros são tão neutros que ressaltam a acidez do vinho. 
O estado do queijo na hora de servir, assim como seu corte e variedade, conta bastante no que diz respeito à harmonização. Unir queijos e vinhos de uma mesma região continua sendo uma aposta segura, embora a matéria gordurosa do queijo possa ser também um quesito relevante, assim como a acidez, os taninos e os açúcares do vinho em questão, que irão acompanhá-lo.





Respeitar as diversidades e aromas

Varie entre três e oito a quantidade de queijos para equilibrar os sabores. Entretanto, combinar queijos e vinhos requer alguns cuidados, pois o sabor de um não pode anular o do outro e sim melhorar. É fundamental conseguir aliança de forma que ambos, vinhos e queijos, se completem e realcem mutualmente suas virtudes. 




Queijos picantes pedem vinhos ligeiros e refrescantes. 
Queijos intensos de sabor amanteigado pedem vinhos tintos nobres, maduros e encorpados. 
Queijos gordos harmonizam bem com vinhos com certa acidez frutada e taninos rigorosos para limpar a boca. 
Queijos lácteos suaves devem ser acompanhados com vinhos plenos e aveludados.




Explicando melhor
Sauvignon BlancRiesling e Alvarinho (brancos leves e ácidos): Os vinhos dessas uvas terão bom relacionamento com queijos mais leves, especialmente as versões frescas (um queijo de cabra é perfeito). Outras boas pedidas são a ricota e a mozzarella de búfala. Experimente ainda os mais gordurosos como os tipos gouda e estepe, que, em geral, vão  melhorar o sabor dos vinhos dessas castas.
Chardonnay, Gewürztraminer, Pinot Grigio e Chenin Blanc, (brancos mais encorpados): Esses vinhos são aqueles cheios de classe e, sobretudo personalidade. Para tanto precisam casar com queijos de paladar acentuado, a exemplo do brie, camembert e cheddar.
Shiraz, Chianti e Barolo: Os vinhos robustos elaborados com essas uvas pedem queijos duros e de aroma forte, como parmesão e pecorino.
Adocicados, os queijos gruyère e emmental combinam com os tintos Bardolino e Barbera.
Com menos tanino (a substância responsável pela sensação de adstringência na boca), os vinhos derivados da uva Pinot Noir acompanham com maestria o edam e o estepe.
Vinhos do Porto: Queijos como gorgonzola, roquefort e camembert fazem bonito junto a um vinho do Porto Ruby (tinto de sabor intenso) ou a um Porto Tawny (com aroma de madeira).
Vinhos de sobremesa adocicados fazem sucesso quando associados aos queijos de pasta azul, como roquefort e stilton. No caso, os contrastes valorizam a mistura e equilibram as texturas, pois o salgado de um se contrapõe ao doce do outro, e a acidez da bebida evidencia a cremosidade dos queijos.



Sugestões de Harmonizações 
Brie: Atílio Avena Roble chardonnay, Palácio Lisboa tinto 
De cabra: Feitoria Douro branco, Araucal chardonnay 
Camembert: Evel Douro branco, Herdade da Farizoa Seleção do Enólogo tinto 
Gorgonzola e outros queijos azuis suaves: Vinho do Porto Real Cia Velha Fundador Tawny, La Cacciatora Nero d' Avola Sicília 
Gruyère: Millaman Limited Reserve chardonnay, Santa Angelica Gran reserva carmenère 
Tipo Holandês: Taurino Gran reserva cabernet sauvgnon, Pacheco Pereda Blend reserva 
Manchego Curado: Atílio Avena Gran Reserva Barlét II tinto, Altum merlot 
Manchego Leve: Viñestral Rioja tinto, Pinilla tempranillo 
Munster: Pacheco Pereda chenin-chardonnay, Tapada dos Monges branco 
Parmesão: Unuzual zinfandel, Taurino Limited Edition tinto 
Roquefort e outros queijos azuis fortes: Vinho do Porto Real Cia velha branco Malvasia, Moscatel de Setúbal
Queijos da Serra ou de Serpa: Quinta da Coelheira D.O.C do Tejo, Herdade da Farizoa Reserva 
Nenhuma recomendação acima pode se tornar uma regra, mas as proposições são associações clássicas entre estilos de vinhos e queijos a fim de facilitar a escolha. No entanto, você pode harmonizar queijos e vinhos em função do gosto pessoal, do horário do evento, assim
como o clima da região. 
Dica: Refrigerantes são completamente vetados. Se algum convidado não quiser beber vinho, acompanha os queijos bebendo água gelada.
Crie! O importante é destacar sempre o que você serve e respeitar seu estilo de vida. Tudo tem de ser autêntico, como você!