03 julho 2013

Cagnes-sur-mer, na riviera francesa, abriga o museu Renoir

A Casa de Renoir, Les Collettes, atualmente Museu Renoir, reporta à vida cotidiana do velho mestre e como ele viveu lá nos últimos 11 anos de sua vida, a partir de 1908 até sua morte, em 1919.

A cidade de Cagnes comprou o lugar de Claude Renoir, que herdou a casa e lá viveu por muitos anos. A propriedade é agora um museu, inaugurado em 1960, testemunhando a vida diária de um dos pintores mais populares de seu tempo.

Les Collettes, Museu Renoir
Museu Renoir

O museu foi totalmente renovado em 2012. Salas dedicadas à escultura foram adicionadas e um elevador para visitantes deficientes foi instalado. Doze salas na casa do pintor estão abertas ao público.

Além de quadros e esculturas você verá o mobiliário original os estúdios e coisas pessoais que pertenceram ao artista. Vale um passeio no magnífico jardim e entre as oliveiras que têm vistas de Haut de Cagnes - e estas são as impressões que Renoir registrou em seu trabalho. É um lugar de grande beleza e a poesia. O único problema é que não é bem sinalizado, e um pouco difícil de encontrar, pois não é na vila medieval de Haut de Cagnes, mas nos olivais, nas proximidades.

Les Collettes, Museu Renoir


A melhor forma de se chegar é de carro ou bicicleta, uma viagem de cerca de 25 minutos do mar de Cagnes sur Mer, junto ao rio de Cagnes. Optando pela bike, se prepare pare uma subida íngreme até o alto da colina, De Nice é cerca de 15 km.

Não espere um grande e imponente museu, é realmente apenas uma casa no meio de oliveiras, pouco mais do que uma fazenda com uma antiga casa, mas a atmosfera intimista do lugar já valeria a visita, não fossem as obras do artista que você encontrará lá.

No início do século 20, quando Auguste Renoir veio a se estabelecer em Cagnes, tratava-se apenas uma pequena vila à beira-mar.

Oliveiras em Les Collettes, Museu Renoir
Oliveiras nos jardins da casa de Renoir

Atraídos pela fama do mestre impressionista, inúmeros artistas se juntaram a ele na pequena e pitoresca cidade mediterrânea, então apelidada de "o Montmartre da Riviera Francesa".

Cagnes manteve-se atraindo celebridades até os anos sessenta. Entre os mais famosos podemos citar os artistas plásticos Chaim Soutine, Foujita e Yves Klein, o romancista Georges Simenon, a atriz Greta Garbo, os cantores Mouloudji, Suzy Solidor e Georges Ulmer  e a nossa tão conhecida Brigitte Bardot.

Seduzido pelo lugar dois anos antes, Renoir que vivia com a família em um grande apartamento na Maison de la Poste, em 1905, decidiu mudar-se para a cidade. Em 1907, ele comprou o Domaine des Collettes, uma pequena fazenda localizada dentro de um belo domínio com oliveiras e laranjeiras esplêndidas.

Les Collettes, por Renoir


Logo depois Renoir construir uma grande casa equipada com todas as comodidades da época e com duas oficinas para o pintor, uma dentro e outra do lado de fora. Nesta casa, a senhora Renoir dispunha de muitos empregados que, por vezes, se tornaram modelos para Renoir, como Gabrielle ou Renee.

Renoir pintou Cagnes em tons quentes, refletindo o seu amor da aldeia e à luz do sul.

Renoir em Les Collettes, Museu Renoir

No final de 1919, Renoir deixou Cagnes para ir ao Museu do Louvre. De volta para casa em 30 de novembro, começou a trabalhar em uma pequena pintura, que seria o seu último trabalho. Dois médicos, seu cozinheiro, sua esposa Louise e seus filhos estavam ao seu lado quando ele faleceu em Les Collettes, em 3 de dezembro.


Taxa de admissão: 3 euros.